segunda-feira, 14 de maio de 2012

Phoenix


Pudera a vida ser desigual como as nuvens. Talvez assim, eu pudesse me perder entre formas desconexas deixando-me levar pelo doce sabor do imprevisível. Por tentar entender, deparei-me com o inexplicável. Respostas apenas elevavam novas paredes de um labirinto sem saída. Perguntas surgiam como enigmas cada vez mais complexos e frios; por não encontrar uma forma lógica para decodificá-los, criei em mim mesmo meu próprio Vietnã. Declarei guerra á minha própria decadência e usei todas as minhas armas para lutar contra o caos causado pelas consequências. Após tortuosos confrontos, aparentemente sem fim, encontrei na simplicidade do amor uma fonte interminável de munição. Reduzindo ao pó toda negatividade, consegui visualizar melhor o meu redor, enxergando pela primeira vez o que antes pela ignorância eu era cego. Entre destroços e ruínas vi florescerem rosas cálidas; antes banhadas ao fogo, agora renascidas das cinzas em brotos de esperança.  Nuvens negras, que contornavam o horizonte sucumbiram ao calor estonteante da liberdade. O vento suavemente contornou um sólido recomeço e a percepção de poder tentar de novo tornou-se suficiente para justificar todos os esforços da batalha. Enfim, pude compreender que apenas pelo amor a dor se transforma em reinvenção, e como uma fênix ressurge das cinzas, é da decadência de perspectivas que renasce o imaculado brilho de um amanhã.

Paullo Lenore.

10 comentários:

  1. Salvei, para ler em dias quentes como este. Bonito é pouco, viu?!

    ResponderExcluir
  2. Vc demora a escrever mas também quando escreve quebra o silêncio que persistia.

    O amor nos torna uma fênix. Com ele nascemos, crescemos, desiludimos, recomeçamos, questionamos, aceitamos e morremos. Sim! Morremos, mas levamos parte do amor conosco e parte do amor deixamos para certas pessoas especiais.

    Ps: já disse em várias oportunidades e vou repetir: sou teu fã!

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente, lindo texto! Gosto muito do jeito que escreve, direto, profundo e pontual. =)

    O amor transforma e faz nascer do caos, beleza e ternura.

    Um grande abraço.

    http://avidaemmiudos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. so essa frase final ja foi um impacto nessa mdruga
    mas todo texto escrito cadenciado bem cosntyruido bom demais

    ResponderExcluir
  5. Lord Paullo
    Visitar seu Blog é sempre um prazer
    e certeza de ótima leitura ...
    tens um modo de escrever fascinante

    "Declarei guerra a minha própria decadência
    e usei contra o caos causado pelas consequências."
    ________Paullo Lenore

    Simplesmente magnífico seu texto!
    Parabéns meu nobre amigo
    seu talento nos brinda com tão belas obras!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que texto bonito. Parabéns.
    O amor realmente cura as feridas.

    ResponderExcluir
  7. Vc e supreendente,parabens...nota milllllllllllllll.bjssss

    ResponderExcluir
  8. GOSTEI DO SEU BLOG E TENHO UM ARTIGO PARA VOCÊ

    Olá Tudo Bem? Primeiro! Quero me apresentar sou a Professora Rosimeire F. Oliveira
    A minha especialidade é falar sobre Saúde, Bem Estar e Emagrecimento.
    TENHO UM ARTIGO ESPECIAL PARA VOCÊ SOBRE DICAS PARA LER MAIS RÁPIDO E ABSORVER MELHOR O CONTEUDO.

    Escrevo atualmente para o Beleza Blog (beleza.blog.br).
    Achei muito interessante o seu blog, gostaria de contribuir com um artigo de minha autoria,
    o texto é totalmente gratuito e o assunto é mais relacionado ao seu blog.

    Será um artigo atraente e atualmente muito buscado pelo público.

    Para divulgação do meu trabalho o que necessito é um link dentro do artigo.
    Se você aceitar publicar o artigo eu divulgo (grátis) na nossa rede que soma mais de 2 milhões de visualizações.

    Entre em contato comigo por e-mail prof.rosioliveira@gmail.com

    Me solicite um artigo para avaliação e um plano de divulgação.

    Gostaria de fazer parte do seu blog através desse artigo!

    Aguardo sua resposta e estou a sua disposição! Atenciosamente,
    Professora Rosi Feliciano Oliveira

    ResponderExcluir