segunda-feira, 25 de junho de 2012

8 ou 80


Como traços abstratos, desenhados sob a superfície fria de um muro de concreto, deixo-me levar entre cores neutras, na esperança de que meu vazio seja preenchido com o ácido sabor do desconhecido. Cansado de procurar razões, abandonei filosofias e vícios no intuito de apenas permitir-me ser. Cansado de procurar respostas em biografias alteradas, fui aos poucos derrotando meus heróis. Exausto em tentar disfarçar minha personalidade com frases feitas, estou aprendendo a ser verdadeiro na intensidade do meu olhar. Após ser derrotado diversas vezes pela fria realidade, levanto uma bandeira branca! Não mais criarei mundos aleatórios, pois na verdade minha tentativa de isolamento era inútil, visto que, jamais conseguirei esconder-me de mim mesmo. Quando tudo parece pequeno e o pouco se torna sem sentido é mais fácil caminhar, andando sem rumo e solitário até reencontrar em si mesmo a força necessária para se sentir bem sem intervenções. Sei que nada jamais será o suficiente, assim como sei que o vazio sempre estará ao lado, mas a vontade de experimentar, criar e sentir são acima de tudo motivos reais para seguir em frente. Para não correr o risco de andar por caminhos errôneos, prefiro andar sem direções; se eu me perder, pelo menos saberei que estou seguindo em frente e não parado esperando encontrar um caminho certo a seguir.

Paullo Lenore.