quinta-feira, 30 de maio de 2013

Eterno Viajante

Na dúvida entre fuga ou ilusão, limito-me apenas a caminhar. Passos lentos, largos e mecânicos, perdidos em um carnaval abstrato de cores, pessoas, carros e incertezas. Um olhar vago disfarçando com ironia uma mente turbulenta, insistente, paranoica, doentia, brilhante. Nada como o vazio para anestesiar e liberar forças estranhas há muito escondidas, esquecidas em algum lugar distante dos breves momentos de euforia. Nessas horas, sentimentos lutam por constância, machucando, dançando, consumindo, até entrarem por fim em colisão... Caindo em pedaços... Alguns pequenos demais para voltarem a ser. Pausa. Olhos cerrados e um suspiro profundo. Volto a andar. Tudo parece tão estático... Como memórias que se perdem ao surgir em câmera lenta, presas em um tempo monótono, aéreo da realidade, repetindo-se com uma intensidade desnecessária, imparcial e perfeitamente substituível. Fatos, mentiras e conseqüências brincam ao longo do fluxo interminável de devaneios. Certo ou errado. Glória ou arrependimento. Tudo ao mesmo tempo e com a mesma pequenez, provocando a cegueira ao ponto de encontrar inevitavelmente a sobriedade. Magnífica, insuportável, reverente. Um tropeço. A alienação se esvai... Suavizando, esclarecendo e permitindo idéias paralelas aos sonhos e tentativas. Minha batalha inconsciente entrega-se ao cansaço, esgotando sentidos e sofrendo o impacto de sua própria redenção. Reúno as sobras e com elas reconstruo meu âmago.  Continuo a andar. Um brilho surge no olhar, sem justificativas e culpa. De certa forma pareço vencer. De certa forma algo me conforta. De algum modo me sinto novamente impulsionado a caminhar...com passos lentos... largos...mecânicos...perdidos...no meu amargo...insaciável...eu.


Paullo Lenore

21 comentários:

  1. Magnífico !!

    Parabéns meu caro amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado amigo. Volte sempre pois é uma honra tê-lo por aqui.

      Excluir
  2. Sempre perfeito e lindo, apesar de triste, os textos que você tão bem escreve, no emanar dps sentidos/sentimentos mais íntimos do ser humano.
    E esse acrescenta mais na sua doce e terna expressividade.
    Parabéns, prezado amigo Paullo Lenore para mais esse perfeito e lindo texto!
    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Jorge, é um prazer ver em seus comentários palavras tão doces. Isso me motiva a continuar a escrever.

      Excluir
  3. Paullo, passos lentos... largos...mecânicos...perdidos, almejando sempre alcançar um novo tempo e a breve felicidade !
    Você brilha amigo.
    Saudade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudades de você também amigo, obrigado pelo comentário.

      Excluir
  4. Quem nunca teve a experiência de caminhar longos quilômetros, sem pressa; sem compromisso; sem destino, e percebeu nesse trajeto a presença de si mesmo, e, contudo formou um intenso dialogo com o seu “eu”? Essa discussão que ocorre em nossa psique, tão bem descrito no seu texto – no caso fatos específicos – é que nos torna seres diferentes dos outros, não melhores, no entanto com uma capacidade de questionamento e refutação que são inerentes ao homem, não visto em outro animal. Essa mesma capacidade, e a forma com que cada indivíduo a aplica, é que define o seu sucesso ou insucesso como viajante.
    Lindo seu texto, linda a imagem escolhida, muito bem escolhida por sinal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas belas palavras, pelos elogios, pela brilhante análise (muito bem escrita) e principalmente por dividir esta caminhada comigo...

      Excluir
  5. Você produz uma literatura diferente das que geralmente são encontradas em blogs. É difícil encontrar textos que nos absorvem, e nos fazem não só entender, mas sentir exatamente o que o autor quer que sintamos.

    Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou lisonjeado com seu comentário Sabrina, obrigado!

      Excluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Mais uma vez fico surpreendido com as técnicas literárias que você expõe Paullo. Assim são os sentimentos... Devaneios, loucuras, misturas... Com auge no belo e ruína no caos. Como dentro de um trem, parando de estação em estação e por cada uma delas algo novo, diferente, inexplicável e inesperado. As referencias para esse texto são amplas: Amor *correspondido ou não, Morte, Solidão, Desapego...
    Fico feliz por ter o privilégio de ler seus BELOS textos e reafirmo: DEVERIA INVESTIR EM UM LIVRO!!! Eu compraria, tanto para uso pessoal como para presentear amigos, e que belo presente...
    Parabéns, não deixe esse dom de lado. Você é BRILHANTE!
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anderson, mais uma vez venho lhe agradecer por todo carinho e apoio. Muito obrigado por dividir seu ponto de vista e por me estimular a escrever. Fico realmente muito feliz...

      Excluir
  8. Visitando seu espaço e pelos os que li já estou te seguindo.
    Um abraço e até mais pela união da poesia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Luiz, seja bem vindo e volte sempre, forte abraço!

      Excluir
  9. Fuga, ilusão, liberar forças estranhas, tropeços, batalha, brilho no olhar são coisas que nos acompanham ao longo da vida;

    ResponderExcluir
  10. Duas palavras em português: que talento!
    Três palavras em inglês: OMG!!
    Estou simplesmente sem palavras, nesta calada madrugada de sábado à noite, onde todos já repousam na casa do nosso amigo em comum, Glauco Moraes. A madrugada desperta todos os meus sentidos, e a medida que vou lendo as suas palavras, minha ânsia aumenta para chegar ao final, e depois relê-las novamente, desta vez com mais calma e atenção. É que sou de fato ansiosa, e sendo assim a minha vontade é de devorar palavra por palavra, à medida que vou lendo seu texto. Este é apenas o primeiro texto seu que leio, meu caro amigo, e já estou apaixonada pela sua arte! Sim, porque é isto o que você faz, e ansiosa para explorar mais este seu fantástico mundo imaginário, tão distante deste do qual vivemos. Parabéns pelas suas palavras, e pela pessoa brilhante que você é.
    Silvana Bretas.

    ResponderExcluir
  11. Paullo,

    Taí um caminho que nunca se esgota e quanto mais o percorremos menos nos aproximamos da chegada. Gostei imenso do que li. Gr. Bj.!

    ResponderExcluir
  12. Muito bom Paullo!!!Amei...
    Abraços

    http://blogluminoso.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir